segunda-feira, 1 de agosto de 2011

O que é Logística Reversa


Podemos considerar que a Logística Reversa seja uma forma contrária da Logística convencional, sendo que seu planejamento também é feito dentro dos mesmos moldes de uma Logística normal.
Tanto a Logística Reversa como a Logística convencional tratam de nível de serviço, armazenagem, transporte, nível de estoque, fluxo de materiais e sistema de informação.
Contudo, a Logística Reversa se apresenta como um novo recurso de lucratividade e sustentabilidade.
A Logística Reversa é o reaproveitamento e remoção de refugo após o processo produtivo.
O ciclo de um produto na cadeia comercial não é finalizado apenas quando este chega ao consumidor final e após seu uso é descartado.
Na era da sustentabilidade a Logística Reversa de pós consumo se destaca como a Logística Verde, pensando de maneira ecologicamente correta, este pensamento estimula a responsabilidade social e vem se destacando como um foco empresarial, pois seus clientes se preocupam com seus descartes.
Considerando os descartes de seus clientes, a sustentabilidade do planeta e a lucratividade a partir da Logística Reserva, todos saem no lucro, inclusive a natureza.
A legislação ambiental caminha cada vez mais adiante na responsabilidade da indústria sobre seus produtos após o uso dos mesmos por seus clientes e por sua vez a população desenvolve cada vez mais uma consciência ecológica sobre a redução do impacto negativo dos produtos pós consumo.
Os materiais retornáveis e o reaproveitamento de materiais para a produção tem trazido muitos ganhos e lucratividade a várias corporações gerando cada vez mais novas iniciativas que contribuem para o aprimoramento e incentivo a Logística Reversa.

Ciclo de vida de um produto

O conceito da Logística Reversa é muito mais amplo que a entrega de um produto ao seu consumidor final, ele se orienta pelo descarte de produtos que se tornam obsoletos e por produtos danificados, analisando uma maneira de serem reciclados ou um armazenamento adequado sem agressões a natureza.

Os custos de um produto além de serem calculados matérias-primas, produção, armazenamento e estocagem, também devem ser relacionados os custos com o gerenciamento do fluxo reverso. Esta abordagem sistêmica é fundamental para planejar a utilização dos recursos logísticos de forma evidenciar todas as etapas do ciclo de vida dos produtos.

Com a rede de logística planejada, se tem uma visão de gerenciamento mais eficiente com redução de custos e maior lucratividade, lembrando que cada segmento empresarial é distinto e deve ser mapeado todo seu processo produtivo, incluindo um fluxograma com todas as fases do processo produtivo até o retorno deste produto ao local apropriado.
Muitas empresas, principalmente de materiais eletroeletrônicos, já tem incluído em seus fluxogramas o retorno destes materiais após seu uso.
A implementação deste sistema e integração na cadeia de suprimentos reflete em vantagens competitivas para as empresas, diminuindo seus custos e melhorando  serviços ao consumidor.

segunda-feira, 4 de julho de 2011

Pesquisa realizada sobre perfil de empreendedor


Perfil de empreendedor escolhido:
Régis e Ghislaine Dubrule – proprietários da loja TOK&STOK
Ramo de atividade: móveis e decoração
Um casal chega ao Brasil e não consegue encontrar nas lojas móveis disponíveis para pronta entrega que unissem design moderno e qualidade. Foi assim, percebendo essa deficiência do mercado, que os franceses Régis e Ghislaine Dubrule decidiram montar a Tok & Stok. O nome resume bem o conceito inovador que seus fundadores desejavam implantar no país: a palavra "Tok" refere-se ao design arrojado de seus produtos e "Stok" menciona a disponibilidade desses móveis para retirada imediata.
Em 1978 em São Paulo a proposta de venda de móveis se iniciou com 80m² da primeira unidade Tok&Stok. A proposta da empresa era vender seus produtos de maniera individual que proporcionava seus clientes a montagem de ambientes da maneira que desejavam, além disso esse sistema realizado permitia uma decoração de acordo com os espaços e disponibilidade financeira de seus clientes. O sucesso do empreendimento foi traduzido pela enorme quantidade de aparições na mídia e pela rápida necessidade de expansão física. Com apenas 7 meses de funcionamento a loja precisou ampliar sua área para 600m², devido ao crescimento da coleção. Um ano depois da inauguração, os cariocas da Barra da Tijuca, região que na época não apresentava uma grande variedade comercial, também puderam conhecer os benefícios das lojas Tok&Stok. 
Em 1983, a rede que já contava com 5 lojas, sendo que em uma delas eram montados ambientes que formavam uma casa completa. Essa exposição dos produtos pôde demonstrar como se daria de maneira prática a sua ambientação no cotidiano dos consumidores, facilitando um maior interesse por parte dos clientes.
O ano de 1989 iniciaram um projeto com inovações operacionais. O primeiro sistema informatizado, "SL" (Sistema Loja), foi desenvolvido e implantado pela equipe de TI da Tok&Stok. Com ele, a empresa pôde melhorar significativamente o atendimento aos clientes e passou a ter um maior controle das rotinas realizadas pelas lojas. Em 1990, na sua contínua busca pela informatização, a empresa implantou o primeiro sistema integrado de gestão de compras e estoques, no depósito central, facilitando o gerenciamento logístico da mesma. No decorrer de sua trajetória, a Tok&Stok sempre se preocupou em manter-se atualizada com as novas tecnologias. Assim, seus sistemas operacionais sofrerem várias melhorias até se chegar ao atual sistema que proporciona uma integração on-line/real-time com o sistema central da empresa.  
O maior crescimento da rede se deu no ano de 1994, alavancado pelo sucesso do Plano Real. O faturamento da Tok&Stok cresceu 70% de 1992 a 1994 e a quantidade de itens vendidos subiu de 6.000 para 10.000. Não foi por acaso que nesse ano a empresa recebeu como reconhecimento do seu sucesso o prêmio "Marketing Best" do ano. A partir daí, a rede só conquistou índices ascendentes.
Para consagrar o sucesso da rede, o ano de 2004 veio com muitos prêmios. A empresa foi a primeira organização latino-americana a receber o Global Innovator Award, reconhecendo a Tok&Stok entre as 5 melhores lojas do mundo no segmento de acessórios para casa e presentes. Dentro do país, a empresa ganhou pela quinta vez o prêmio Alshop/Visa e, por ser a mais lembrada pelos profissionais do setor, a Tok&Stok ganhou, também, o prêmio Casa e Mercado. Porém, nada é mais gratificante do que o reconhecimento daqueles que trabalham para nós. Nesse mesmo ano os funcionários a elegeram no Guia Exame/Você S. A. como uma das melhores empresas para se trabalhar e para a mulher trabalhar.
Atualmente, a empresa conta com 25 lojas espalhadas por 18 cidades do Brasil. São mais de 100 mil m² destinados a atender as necessidades dos consumidores que buscam acessórios de decoração e móveis. Seus funcionários, cerca de 2.000, procuram sempre atender os clientes com agilidade e criatividade, oferecendo produtos que estão em sintonia com as novas tendências. Aliás, inovação é a palavra-chave para esse texto. A empresa busca ter em mente esse diferencial desde sua criação até os dias atuais, quando coloca em suas prateleiras mais de 8 produtos novos por dia.
A Tok&Stok é reconhecidamente uma empresa preocupada com a responsabilidade social.  Além de manter um programa que visa o uso de madeira de florestas plantadas para esse fim, a empresa ainda tem um programa de uso de sacolas e aparas de papelão recicladas. Devem ser citadas, também, as iniciativas sociais, como a ajuda a instituições que cuidam de pessoas carentes e o incentivo aos índios Baniwa, cujas cestas são comercializadas pela rede. Outro destaque é o incentivo cultural que a mesma realiza. A Tok&Stok apóia exposições, eventos, filmes, peças e concursos, neste último se destaca o prêmio Tok&Stok de Design Universitário. Nele, estudantes de design são estimulados a desenvolver produtos adequados à realidade social, cultural e tecnológica do país.
Podemos concluir que o espírito empreendedor não é somente o desafio de abrir um negócio, mas está ligado também à inovação, ao crescimento, a ver as oportunidades que ninguém mais viu, ou seja,  uma forma de ver o mundo, associada a um conjunto de técnicas e de conhecimentos, que permite enxergar as oportunidades e atuar de forma a obter resultados.  Experiências indicam que a maioria das pessoas, se adequadamente estimuladas, podem desenvolver atitudes e habilidades empreendedoras, sendo que os pressupostos desse desenvolvimento baseiam-se mais em fatores motivacionais e habilidades comportamentais do que em um conteúdo puramente técnico e instrumental. A ênfase é dada ao desenvolvimento de competências empreendedoras, baseada na análise de algumas características comportamentais básicas, encontradas no empreendedor de sucesso. Tendo como base que os fatores fundamentais para o desenvolvimento do espírito empreendedor apóiam-se em elementos como a motivação à auto-realização, a iniciativa, a persistência, a energia, a liderança, entre outros.
Em suma, se durante toda a vida convivemos, aprendemos e trabalhamos em grupo, talvez o maior desafio nosso, seja exercitar um papel diferenciado que é, ser empreendedor.
De acordo com a pesquisa realizada podemos visualizar nitidamente que o perfil de empreendedores sugeridos na página 35 do PLT são realmente mitos. Uma vez que os empreendedores Régis e Ghislaine Dubrule não foram empreendedores natos, mas sim empreendedores de oportunidade visualizando em suas próprias necessidades um conceito de um novo negócio. Por mais que o empreendimento tenha se transformado em algo de tanto sucesso, avanços tecnológicos e investimentos financeiros, como conta a história os investimentos foram proporcionais gradualmente feitos de acordo com a expansão do próprio negócio
Acabando com o terceiro mito de que empreendedores são “ lobos solitários” e que não conseguem trabalhar em equipes mais uma vez demonstrado na história do empreendimento que foi o grande trabalho em equipe em liderança eficaz que tornou a Tok&Stock uma das maiores e mais conceituadas lojas de fabricação e decoração de móveis do País.
Observamos também que fazer o trabalho dentro de um ambiente de trabalho coordenado e organizado reflete em grandes perspectivas de futuro individuais e empresariais.
Temos que nos livrar dos paradigmas em busca de uma nova metodologia empresarial.
O empreendedor conseguiu fundir a tecnologia com as necessidades do mercado de trabalho disseminando projetos de empreendedorismo ocasionando o sucesso de grandes empresas.
O empreendedor dinâmico é a motivação do mundo, fonte de novas idéias que inova e identifica as oportunidades ultrapassando as barreiras  entre a realidade e o sonho de constituir uma empresa justa confiável, sustentável e que se solidifica no mercado através de grandes idéias.

O profissional no mercado de trabalho


A importância do estudo sobre os profissionais em logística nos faz refletir que dentro de um processo complexo na organização, todos devem estar alinhados a filosofia da empresa que pretende manter-se e se destacar no mercado competitivo. Portanto o comprometimento de todos e o treinamento dos envolvidos é fundamental para a organização. É importante salientar que dentro do mercado de trabalho na área de logística estar integrado aos setores desta érea faz com que esse profissional consiga galgar muitas oportunidades de trabalho, uma vez que o mercado de trabalho encontra-se deficiente de profissionais.
É importante para o profissional de logística, manter-se informado sobre pesquisas da realidade das empresas e como estas vêm se desenvolvendo no mercado atual, quais suas maiores dificuldades, além de falta de informações dos setores que estão sendo mais afetados com o mercado globalizado.
Conclui-se que a globalização é o fator fundamental que afeta todas as áreas da sociedade, principalmente o comércio internacional e liberdade de movimentação, com diferente intensidade dependendo do nível de desenvolvimento e integração das nações, com isso a logística empresarial se tornou fundamental.
A capacidade do funcionário em processar informações ficou mais importante que a sua capacidade de trabalhar como operário graças a automação.
Com relação aos sistemas de integração, é importante que o Tecnólogo em Logística faça constantes reciclagem no que diz respeito a novos softwares destinados a gestão empresarial. Os impactos tecnológicos devem servir de impulso para um novo rumo ao mercado de trabalho, sendo visto como um aprimoramento e não como uma queda no material humano.

Proposta para o auto-desenvolvimento do Tecnólogo em Logística


Todos os profissionais do mercado devem ter ciência de que passamos pela Era do Conhecimento, principalmente o profissional em Logística, uma vez que tem uma vasta ramificação na sua área de atividade. De acordo com Alvin Toffer, esta Era nos faz criar, gerar, ter flexibilidade, ética, conceber e sermos resilientes. Exige que os profissionais tenham mais capital intelectual, um maior comportamento humano. Além das condições específicas do profissional, conhecimento e integração mundial no mercado. A tomada de atitude vem a acrescentar na sustentabilidade com relação ao meio ambiente a ao respeito ao próximo. Agregar valores a organização e solucionar problemas dentro do contexto da empresa, por isso o comprometimento e a inteligência profissional.
A tecnologia nos coloca em constante estudo a fim de nos estabelecer no mercado de trabalho. Como profissionais temos que fazer que as “coisas” aconteçam. Já na Era da Consciência, neste momento de transição entre a sociedade do conhecimento para a sabedoria ou consciência, é fundamental que o ser humano além de biológico, social e cultural, seja mais emocional, intelectual e espiritual.
O homem deve ser capaz de realizar mudanças no mundo contemporâneo.
Atitudes são fundamentais para o desenvolvimento sustentável. É necessário se organizar dentro do processo com direcionamento a grandes etapas, com habilidades específicas que geram valor para as organizações assim como para si próprios.
O avanço das tecnologias faz com que os profissionais em logística tenham conhecimento sobre estas informações, apresentamos abaixo alguns sistemas tecnológicos importantes para a reciclagem e conhecimento ao tecnólogo em logística:
·         Sistema de Entrega Administrada Rhodia (EAR), com o qual é possível monitorar, controlar e fazer a reposição automática de fenol nos clientes da empresa de forma totalmente informatizada, via internet e ininterruptamente graças a sensores eletrônicos mos tanques de fenol dos clientes, que acoplados a microcomputadores avisam quando o estoque atinge o nível de reposição, que foi previamente acertado entre a Rhodia e o cliente (REVISTA TECNOLOGÍSTICA, 2003);
·         Sistemas de posicionamento e comunicação Automatic Vehicle Location (AVL), que permitem o conhecimento da posição de um veículo e a realização de operações associadas, através de tecnologias que suportem os seus componentes, por exemplo, a utilização de receptores GPS embarcados, ou de rádio freqüência, com apoio de antenas próprias, ou pelo chamado network positioning, com o apoio de operadoras de celular (RODRIGUES, 2003);
·         Software Pedido Perfeito, que um software resultante da parceria entre a Interchange, a Xplan Tecnologica e a Zanthus, que a partir da análise de vendas, recomenda a quantidade de produtos a ser pedida, e sendo assim, há a liberação dos funcionários das áreas de Logística e de Vendas que, por exemplo, ao invés de telefonar para os clientes para saber se precisam de produtos ou conferir estoque, podem se voltar para outras atividades, como a implementação de novas ações ou visitas a clientes (REVISTA TECNOLOGÍSTICA, 2003);
·          ECR (Resposta Eficiente ao Cliente) e o EDI (Intercâmbio Eletrônico de Dados), no qual as organizações concordam em padrões de dados comuns para não ocorrer em incompatibilidade de dados e que proporciona vantagens tais como o fornecimento de melhor feedback sobre quando e quais produtos estão sendo vendidos - e isso pode resultar em lead times menores e programações de entrega mais previsíveis; eliminação da papelada e erros associados à entrada manual dos dados; o que significa menos devolução, menos custos e maior nível de serviço ao cliente (MAZZEO, 2001);
·         Data Warehouse (DW) que armazena dados históricos e atuais em um único banco de dados, facilitando a elaboração de relatórios, que são geralmente criados por ferramentas conhecidas como Sistema de Informações para Executivos (HAMACHER, 2000); e
·         Redes de conhecimento, nas quais as organizações usam tecnologia da informação para compartilhar conhecimento;e outras técnicas ajudam a pedir, programar, movimentar, estocar e acompanhar mais eficaz e efetivamente.

Pesquisa sobre o "apagão profissional"


O “apagão profissional” surge, por conseqüência do sistema tributário pouco inteligente, de uma burocracia exagerada e da legislação trabalhista que sufoca de maneira geral os empresários no Brasil, tudo isso ocasiona uma infra-estrutura deficitária para que haja um sistema de contratação eficiente em torno das empresas.
Muitos levantamentos apontam o nosso sistema trabalhista como um dos fatores que engessam o processo produtivo e de desenvolvimento da economia. Muitos setores são atingidos sendo que os setores mais afetados são os de construção civil, indústria naval, automobilístico, ferroviário, moveleiro, de transportes e serviços, siderúrgico e metalúrgico.
Além deste ponto podemos dizer que outro fator importante é a falta de mão de obra eficiente e qualificada para todos os setores do mercado. Segundo pesquisas, muitas empresas se vêem limitadas para suas contratações específicas, uma vez que o nível de aprimoramento dos profissionais é bem escasso. 
Por um lado, o Brasil ainda aponta um índice de 8 milhões de desempregados; de outro, sobram vagas. O que existe, na verdade é um descompasso entre a mão de obra disponível no mercado (pessoas sem qualificação) e a mão de obra preparada..
Não é suficiente para o mercado empregador, candidatos tenham o “canudo” na mão, estes profissionais precisam de mais, precisam estar aptos a atingir metas da empresa, ter inteligência profissional e saber lidar com os novos apelos do mercado, além de ter conhecimento das novas tecnologias e ter ciência de suas necessidades em rever métodos e conceitos.
”Estudos apontam que a falta de mão de obra capaz de atender essa ampla gama de exigências pode sufocar os planos brasileiros de crescer mais de 5% ao ano.”
“Na verdade, estamos atrasados nessa jornada: o "apagão da mão-de-obra" vem sendo debatido, há tempos, por estudiosos, pesquisadores, políticos, empresários e executivos.”
“Não fizemos quase nada a respeito, e agora urge correr atrás do prejuízo.”
Jorge Cunha é o Chief Financial Officer da BDO, quinta maior empresa do mundo em auditoria, tributos e advisory services.